A SERPENTE: DO DIFERENTE AO RECORRENTE EM NELSON RODRIGUES

Carla Emanuelle Sanches, Lilian Lima de Souza Wosch, Luis Gabriel Venancio Sousa, Rogério Tomaz

Resumo


Esta pesquisa acadêmica propõe a análise da obra A Serpente (1980) do autor e dramaturgo Nelson Rodrigues. O principal objetivo da pesquisa é verificar na obra as características rodrigueanas recorrentes e, também, aquelas que a fazem diferente das demais peças escritas pelo autor, comprovando assim, sua importância literária para os cenários da literatura e da dramaturgia brasileira. Classificada como tragédia carioca, A Serpente, bem como outras obras desta fase do autor, caracterizamse por uma maior aproximação com o público, seja por um olhar voltado ao social, apresentando situações corriqueiras do cotidiano urbano, seja pela sua tragicomicidade, seus aspectos melodramáticos. O primeiro capítulo apresenta um breve estudo sobre a origem do teatro, as características das clássicas tragédias gregas e dos elementos que as compõe, a fim de traçar um comparativo com as tragédias modernas rodrigueanas. Também comenta-se sobre a diferença dos termos “tragédia”, como gênero literário, e “trágico”, como princípio esente nas tragédias. Adiante, adentra-se na análise específica de A Serpente, focando nos aspectos peculiares do enredo, da linguagem, dos diálogos, das rubricas e da formação das personagens.

Palavras-chaves: Nelson Rodrigues. A Serpente. Tragédias Cariocas. Diferente. Recorrente.


Palavras-chave


Nelson Rodrigues. A Serpente. Tragédias Cariocas. Diferente. Recorrente

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.