RIR PARA NÃO CHORAR: O RETRATO CRÍTICO DA MORALIDADE DO HOMEM DE CLASSE MÉDIA NA CRÔNICA DE LUIS FERNANDO VERISSIMO

Alan Leal de Mattos, Luiz Rogério Camargo

Resumo


Atualmente, a crônica tem sido um instrumento de grande alcance no que toca a reflexão sobre a vida social. Dentre os vários autores se destaca Luis Fernando Verissimo, que, com um estilo humorístico, consegue refletir com profundidade sobre as questões cotidianas. Sendo assim, este artigo pretende tematizar, dentro da vasta gama de possibilidades, a moralidade do homem de classe média na obra Amor Verissimo (2013). Nessa obra, Verissimo retrata vários homens, de distintas situações, mas que se encontram no mesmo dilema entre o dever e o querer. A crítica do autor ressalta a tendência da sociedade de se fixar em normas estabelecidas e universais, mas que acabam criando um hiato com a vida que se apresenta como contingente. Neste ponto, pode-se fazer um paralelo entre a crítica de Verissimo e a do filósofo Friedrich Nietzsche, o qual afirma que o homem não pode viver como um viajante que tem uma meta estabelecida, mas deve se entender como um andarilho errante, que encontra sua alegria na mudança e na passagem em total abertura ao que a vida apresenta.

Palavras-chave: Humor. Crônica. Moralidade. Luis Fernando Verissimo. Friedrich Nietzsche.


Palavras-chave


Humor. Crônica. Moralidade. Luis Fernando Verissimo. Friedrich Nietzsche

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.